Passar para o Conteúdo Principal

Pesquisar

Hoje
Máx C
Mín C
siga-nos

Colóquio Ignorância e Esquecimento

ColóquioO que a ciência conhece e ignora sobre o território odemirense 
Fazer um balanço dos estudos científicos que têm sido produzidos sobre o território odemirense e fundamentar uma estratégia científica a desenvolver para o programa museológico do futuro Museu de Odemira foi o grande objetivo do colóquio “Ignorância e Esquecimento”, promovido pelo Município de Odemira e pela associação GESTO - Grupo de Estudos do Território de Odemira. Sob a coordenação científica de Pedro Prista, nos dias 12 e 13 de abril, Odemira recebeu os melhores especialistas nacionais das ciências naturais e humanas. O que temos? O que vamos fazer? Qual o caminho? Foram as questões base para um museu que se pretende pluridisciplinar, abrangente, dinâmico, moderno e aberto à comunidade.

“O caminho que estamos a trilhar é o caminho certo”

“Ficou patente o elevado valor da região em termos de memória e conhecimento científico, bem como do muito que ainda há a fazer. O grupo de trabalho do museu tem uma grande responsabilidade, tem que refletir sobre o caminho do futuro museu” sublinhou José Alberto Guerreiro, Presidente da Câmara Municipal de Odemira. Defendeu que “O museu tem que construir um verdadeiro projeto cultural, com base na memória e no conhecimento. Deverá ser polinucleado e dinâmica. Temos uma grande diversidade, temos tradições ligadas ao mar e ao rio com elevado valor, a religião e alguma arqueologia.”

O autarca confessou estar “Convencido que este é um projeto ambicioso e que não se constrói de um dia para outro, mas está em mãos de gente de elevada qualidade. É importante termos uma rede de parceiros, universidades, empresas, associações e, claro, a população, que possa alimentar este processo. Fico contente por saber que o caminho que estamos a trilhar é o caminho certo, o que se entende para a construção de um museu.” Este colóquio “foi mais um passo, há muito tempo que vem caminhando neste processo, que não vai parar.”

O programa museológico deverá estar concluído em setembro, “no momento em que se discute mais um Quadro Comunitário e gostaria que estivéssemos preparados para apresentar uma candidatura para concretizar este sonho”, esclareceu José Alberto Guerreiro.

Da arqueologia ao atual povoamento

Depois das conferências “Um Museu para Odemira” (Hélder Guerreiro), “O Poder Local e a Memória” (Ana Tendeiro) e “Ignorar e Esquecer” (Pedro Prista), seguiram-se comunicações sobre cada uma das áreas científicas, baseadas no levantamento e caracterização dos estudos identificados, avaliadas num comentário final pelo respetivo relator. O colóquio reuniu um total de 16 investigadores, além de seis nomes referência como comentadores.

Foram abordadas várias disciplinas: arqueologia, onde o comentador foi Luís Raposo (arqueólogo, ex-diretor do Museu Nacional de Arqueologia, docente da Universidade de Lisboa e Presidente da Direção da Comissão Nacional do ICOM - International Council of Museums e membro do Conselho Consultivo Comissão Nacional Portuguesa da UNESCO); história, cujo relator foi João Carlos Garcia (geógrafo, investigador e professor da Faculdade de Letras da Universidade do Porto e membro do Centro Interuniversitário de História das Ciências e da Tecnologia); antropologia, comentada por Pedro Prista (antropólogo, investigador e professor do ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa); património edificado, sendo o relator José Aguiar (arquiteto, investigador e professor da Faculdade Arquitetura / Universidade Técnica de Lisboa Vice-presidente ICOMOS-Portugal); ciências da vida e da terra (geologia, botânica, fauna terrestre e biologia aquática) e produções (regadio e floresta), com o relator Eugénio Sequeira (engenheiro agrónomo, investigador e professor do Instituto Superior de Agronomia, Conselheiro do Conselho Nacional do Ambiente e do Desenvolvimento Sustentável e membro da Direção da Liga para a Proteção da Natureza); e território, população, povoamento e paisagem, com o relator João Ferrão (geógrafo, investigador coordenador do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, ex-Secretário de Estado do Ordenamento do Território e das Cidades, membro do Conselho Científico das Ciências Sociais e Humanidades e do Conselho Nacional do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável).
Voltar ao topo