Passar para o Conteúdo Principal
Hoje
Máx C
Mín C
siga-nos

Município de Odemira distinguido pelo apoio que presta aos Cuidadores Informais

Cuidar  1 1 1024 2500

O Município de Odemira, através do projecto Cui(Dar)+, passou a integrar a Rede de Autarquias que Cuidam dos Cuidadores Informais (RACCI), uma iniciativa do Movimento Cuidar dos Cuidadores Informais que tem como missão reconhecer os municípios e as freguesias do território nacional que adotam as melhores práticas e as medidas de apoio em benefício dos cuidadores informais, tendo obtido o Selo de Mérito em reconhecimento deste trabalho.

O projecto Cui(Dar)+ é promovido pela TAIPA - Organização Cooperativa para o Desenvolvimento Integrado e assenta na dinamização de uma estrutura de apoio e de acompanhamento aos cuidadores formais e informais, centrado em três níveis de bem estar - Psicológico, Social e Físico - através do Gabinete de Apoio à Pessoa Cuidadora. É financiado a 70% pelo Programa Operacional Inclusão Social e Emprego do Portugal Inovação Social e comparticipado a 30% pelo Município de Odemira, enquanto investidor social. No primeiro semestre de 2021, através do projeto Cuidar + foram apoiados 84 Cuidadores Informais e 76 Cuidadores Formais no concelho de Odemira, registando-se 10 novas adesões ao projecto e 730 atendimentos a Cuidadores Informais e suas famílias.

Do total de 50 propostas apresentadas no âmbito da 1ª edição da Rede de Autarquias que Cuidam dos Cuidadores Informais, a entidade responsável atribui Selo de Mérito a 24 autarquias pelo cumprimento dos critérios definidos e que dão resposta às necessidades por satisfazer dos Cuidadores Informais. Odemira integra o grupo de 24 municípios que constituem a Rede de Autarquias que Cuidam dos Cuidadores Informais (RACCI), ao lado de Almada, Arruda dos Vinhos, Cascais, Cantanhede, Coruche, Esposende, Gondomar, Loures, Lousada, Machico, Marco de Canaveses, Mirandela, Oeiras, Oliveira do Bairro, Ovar, Pombal, Santa Maria da Feira, Sesimbra, Tavira, Trofa, Vila Nova de Famalicão, Vila Nova de Gaia e Vila Verde.

De acordo com o inquérito feito pelo Movimento Cuidar dos Cuidadores Informais, as suas necessidades vão desde a falta de apoio emocional/psicológico (64,6%), apoios relacionados com Estado (59,1%), apoios financeiros (51,8%) e a necessidade de receber formação específica em algum aspeto do processo de cuidar (41,2%).

A Rede de Autarquias que Cuidam dos Cuidadores Informais é uma iniciativa do Movimento Cuidar dos Cuidadores Informais, apoiado pela Merck e conta com dezenas de associações portuguesas que têm como objetivo concretizar projetos capazes de ajudar, na prática, os Cuidadores Informais. O Estatuto de Cuidador Informal foi reconhecido recentemente e veio dar visibilidade a um trabalho insubstituível, e muitas vezes invisível, de quem cuida, seja do marido, da mulher, de um filho, do pai ou da mãe.

CUIDAR+Movimento Cuidar dos Cuidadores Informais

28 Setembro 2021